ONLINE
0
Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais.
  The best bookmakers at: I want to seize these offers now!

Pós-COVID19: o que acontecerá ao Futebol?

Pós-COVID19: o que acontecerá ao Futebol?
Devido aos últimos desenvolvimentos da pandemia que invade o mundo, o futebol, assim como tantas outras modalidades, está suspenso por tempo indeterminado.
por Academia   |   comentários 0

Este é um desporto que faz parte da vida da maioria dos portugueses e transmite um espírito de união e companheirismo. A falta de eventos desportivos está a causar uma grande impaciência na comunidade.

Nas redes sociais, os clubes e os jogadores incentivam os fãs e seguidores, espalhando uma onda de “solidariedade”, gerando uma relação bastante mais próxima entre adeptos e jogadores. Pois somos todos da mesma “natureza” - somos humanos e neste momento sofremos dos mesmos medos.
 
As saudades de treinar já apertam, a vontade de trabalhar e de estar com os colegas é ainda maior. O contacto com a bola não vai deixar de existir porque todos temos uma bola em casa ou até mesmo um rolo de papel higiénico:
 
 
Podemos ver o exemplo do David Carmo, jogador que subiu recentemente da equipa B do Sporting Clube de Braga para a equipa sénior. Ele mostrou nas redes sociais, sentir falta “dos momentos de treino, do balneário e dos jogos” e acima de tudo, mostrou-se preocupado com o bem-estar de todos os atletas e equipas. 
 
Assim como David Carmo, outros profissionais do futebol mostram nas redes socais sentir saudade da sua profissão. Estar fechado em casa pode afetar claramente quem gosta de seguir rotinas de trabalho e quem é fiel à sua profissão.
 
Isto para além de afetar os jogadores, também está a afetar em primeira mão, os clubes de futebol, as entidades desportivas de cada país e acima de tudo a situação económica mundial dos clubes. Isto porque, sem receitas dos estádios, e com os investimentos em vão no marketing e publicidade das grandes competições europeias, o clube não sobrevive. 
 

Mas que impacto é que o COVID-19 está a ter nos clubes de futebol?


Impactos a nível de estrutura e financeiro. Terão de existir medidas internas que devem ser elaboradas de forma a evitar uma possível falência dos clubes e dar o devido apoio aos mesmos. Mas nem sempre é fácil, uns conseguem ter sucesso ao ter uma comunicação eficiente e compreensiva e outros terão de tomar medidas mais drásticas.
 
Por exemplo, o clube alemão, Borussia Monchengladbach, acordou juntamente com o seu plantel, poupar 1 milhão de euros em salários. Os jogadores aceitaram reduzir 50% dos seus ordenados para ajudar o clube a manter-se financeiramente. Isto demonstra uma boa relação entre dirigentes, staff e jogadores. Estão juntos e unidos por esta boa causa. 
 
Outro exemplo, mas com consequências negativas: o clube suíço Sion FC, despede 9 dos seus jogadores sem aviso prévio porque estes recusaram-se a baixar as suas condições salariais. Esses foram Alex Song (ex-Barcelona e Arsenal) e Seydou Doumbia (que já passou pela Roma, Basileia e Sporting CP) com os restantes Pajtim Kasami, Johan Djourou, Ermir Lenjani, Xavier Kouassi, Mickaël Facchinetti, Christian Zock e Birama Ndoye. 
 
A posição do Sion FC é crítica, mas a meu ver, foi uma medida a pensar no longo prazo. A ideia do clube foi dispensar jogadores com os seguintes critérios: salários elevados e idade mais próxima do fim de carreira.
 
Qualquer pessoa considera injusto a baixa de ordenados, mas é preciso ver os dois lados da moeda: se não houver baixas, numa crise desta dimensão, podem deixar de existir postos de trabalho por hipótese de falência do clube. Entrar em consenso sobre as medidas a tomar é a forma mais fácil de conseguir ultrapassar esta crise.
 
Este é um problema que pode e vai afetar mais clubes e vai depender de cada dirigente, de cada treinador e de cada jogador a forma como vão superar. Uns com uma mentalidade mais forte, outros com uma mentalidade mais fraca, cada pessoa tem a sua maneira de enfrentar os problemas e arranjar a solução interna para os mesmos.
 
Acima de tudo, é importante ter uma estrutura sólida enquanto equipa e uma boa comunicação, para ajudar os jogadores a criarem uma rápida adaptação ao momento em que se encontram. Importante é não perderem a motivação e conseguirem ter uma quarentena saudável física e psicologicamente.
 
Numa perceção global, é importante os jogadores estarem preparados para o impacto que esta pandemia poderá causar nas estruturas dos clubes. Por exemplo: afetar futuras transferências, a dispensa de jogadores e equipa técnica, mudança de instalações, mudança de direção técnica, a venda de ações do clube e etc…
 
O que irá suceder depois dos jogadores voltarem às suas vidas normais? Vão soltar as saudades e agarrar com força esta batalha? Será um processo mais demorado do que o esperado? Estarão motivados?
 
Num ponto de vista individual de cada jogador, o distanciamento social pode causar efeitos secundários, porque estamos mais “pesados” psicologicamente, sentimos a falta da comunicação, do estar com os nossos colegas, fazer coisas fora de casa, passear, jantar fora, viajar, etc… Todos estes fatores que fazem parte do nosso dia-a-dia, estão agora interditos. Vivemos atualmente noutra realidade, e com tempo indeterminado. Realidade esta que nos remete ao medo, pânico e ansiedade de como será o seu desfecho.
 
Para além disso, importante é referir que a preparação física necessária para um jogador de alta competição, neste momento é muito difícil de conseguir.
 
Resta esperar que quando os jogadores voltarem ao ativo, venham com toda a força, tanto física, como psicológica. Irão sofrer um choque de realidades mas, importante é guardarem esta experiência como uma aprendizagem, de que nem sempre temos o futuro como garantido, nem sempre os planos acontecem como estamos à espera.

E no mundo das Apostas Desportivas? O que irá mudar?
 
, , ,

Partilhar "Pós-COVID19: o que acontecerá ao Futebol?" via: