Ver versão desktop
ONLINE
8
Menu
Começar Pontos Academia Curso Tips    Análises    Procurar Tips Estatísticas de Futebol Estatísticas de Ténis Estatísticas de Basquete Estatísticas de MotorSports Artigos Promoções Concursos Fórum

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais.
  Visit our site available at: Go to Online Betting Academy
           

O Placard não vai ser uma casa de apostas online


O Placard não vai ser uma casa de apostas online

Segundo o Jornal Público, a Santa Casa não vai requerer licença de jogo online.

O Placard vai-se manter apenas como apostas desportivas à cota de base territorial.

De acordo com Fernando Paes Afonso, vice-provedor da SCML, a instituição não requereu a licença junto do Serviço de Regulação e Inspecção de Jogos “atenta a sua natureza e os fins estatutários que prossegue”, disse ao PÚBLICO.

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) decidiu não requerer licença de jogo online, mantendo-se apenas como instituição que gere os jogos sociais do estado. Esta decisão é justificada pelos próprios estatutos da Santa Casa, pela função social que desempenha.

O provedor da SCML, Pedro Santana Lopes tinha dito em Março que a Santa Casa se poderia vir a candidatar a uma licença de jogo online, mas esta nova informação em Dezembro do vice-provedor indica que afinal a Santa Casa não vai candidatar-se a licença de jogo online.

Desta forma, o Placard, jogo de apostas desportivas disponível apenas nas lojas físicas dos mediadores da Santa Casa, vai manter-se assim apenas offline. O Placard não entrará no mercado das casas de apostas desportivas online.

Espera-se para breve a emissão das primeiras licenças de jogo online, uma vez que já foram publicados em diário da república dia 23/12/2015 todos os regulamentos necessários para serem emitidas licenças de apostas desportivas à cota online (ler artigo).

Restará agora a análise documental dos pedidos de licença, bem como a análise da certificação dos sistemas técnicos dos operadores, para que possam ser emitidas as primeiras licenças.


Fonte: Jornal Público 28/12/2015


Para saber mais sobre esta Lei que regula o Placard, onde tem inscrito limites de prémios de 55% a 85% do montante das apostas, podes ler o nosso artigo “Como ganhar dinheiro no Placard?”. Vais perceber melhor porque é que o Placard NÃO oferece uma alternativa justa e lucrativa.


 

jogo online, licenças, placard, santa casa

Partilhar "O Placard não vai ser uma casa de apostas online" via:

Enviar Comentário

Comentário (24)

  1. Hugo Gomes 28 Dez 2015 - 13:02
    Com as odds que nos "vendem" bem que podem continuar a enganar os pobres coitados que nunca contactaram com apostas na vida!
  1. Pedro_Neves 28 Dez 2015 - 14:34
    R.I.P Placard jajaja
  1. badname 28 Dez 2015 - 19:34
    Assumo com uma boa notícia
    Esta montanha russa de avanços e recuos é que já me deixa farto
  1. migsports21 28 Dez 2015 - 20:05
    vamos ver....vamos ver...

    se isso acontecer perdem logo a malta jovem, e não só, que prefere apostar online, com mais mercados, em casa, etc... casas que têm os tais cashouts que tantos adoram etcc....

    é de facto estranho,,, pois diria que tudo indicará que levarão uma forte redução no voluime de apostas..

    a não ser que não saibamos tudo ainda....

  1. o_carasco 28 Dez 2015 - 20:34
    Ora aqui temos o exemplo perfeito do que é o mau jornalismo!.... reparem, que  não há qualquer tentativa do jornalista, em responder aquela  que deverá ser sempre a 1ª questão no bom jornalismo: --" PORQUÊ ?"

    -PORQUÊ, que a casa que é SANTA  ( pelo menos na opinão do Stor Santana),  desistiu?

    -E afinal estavam interessados?

    -Mas este não era o mercado que NÃO dizia respeito à  casa que é SANTA  ( pelo menos na opinão do Stor Santana)? Aqui impoe-se abrir um parentis: A CASA é  SANTA  pelo menos na opinião do Stor Santana e mais  uns tantos, mas por exemplo, para o Sr Carlos Cruz,  Sua Excelencia Sr Embaixador Jorge  Rito, o Sr Bibi, dentre outros, já não é tão santa como isso; fim do parentesis!

    Assim sendo, e na minha opinião, o artigo haveria de ser reescrito e rezar assim:

    Questões de elevada complixidade juridica e pareceres circunstanciados têm adiado de forma incompreensivel a atribuição de licenças a casas de apostas “on line”.  A casa que é SANTA  ( pelo menos na opinão do Stor Santana), afinal sempre estava interessada na obtenção de um desses “papelinhos”.

    Estes pareceres circunstanciados e questões de elevada complexidade juridica, tendo sido muito convenientes na elaboração do processo da CASA que é SANTA  ( pelo menos na opinão do Stor Santana)  verificou, no entanto,- a CASA que é SANTA  ( pelo menos na opinão do Stor Santana)- que “a coisa” é muito mais complexa do que imaginavam, e o seu joguinho de “sacar dinheiro do lache aos miudos  do liceu,  sendo muito mais simples, está a produzir  um resultado que superou  as melhores espectativas, decidindo assim, retirar-se da corrida. Vai continuar por conseguinte com o joguinho de apanhar o dinheiro do lache aos putos, porque isto de apostas on line dá uma trabalheira dos diabos, e eles não estão p`ra  isso.,

    Não vos parece que a noticia assim ficava muito mais clara?!
  1. alfabeto 28 Dez 2015 - 20:49
    Mais tarde ou mais cedo vai acabar por haver plataforma online.
    Se até já há raspadinha online...
    E se calhar aproveitando até o próprio software já existente onde disponibilizam os mercados com as respectivas odds.

    Não sei é se vão optar é pela possibilidade de apostar no live, isso já tenho mais dúvidas. Mas que mais tarde ou mais cedo vai haver plataforma online, isso penso que sim.

    O penoso disto tudo é que continuará a ser um péssimo produto para o consumidor.
  1. MatrixMellon 29 Dez 2015 - 08:11
    http://pt.pokernews.com/noticias/2015/12/afinal-nao-havia-outra-so-havia-santa-casa-toda-poderosa-23745.htm

    Só não vê isto quem não quer.
    Até chegaram ao ridículo de na conferência de 1 dez,  um representante da SCML, responder a questões como se tratasse do regulador...

    Alguém tem dúvidas que o jogo online em Portugal morreu?
  1. o_carasco 29 Dez 2015 - 09:32
    Pelo que vi, o Sr Paes (representante da casa que é SANTA) foi alem do regulador, defendendo inclusivamente as elevadas taxas, argumentando que teríamos todos que pagar a crise. Ridiculo, pelo menos....
  1. o_carasco 29 Dez 2015 - 13:26
    Ora vejam lá as declarações patrioticas do  stor Paes:

    -"Portugal está a recuperar de uma crise financeira e que os cidadãos pagam muitos impostos, inclusivamente em bens primários"

    outra:

    -"Os impostos são altos em todos os setores de atividade em Portugal, pelo que os operadores devem adaptar-se"


    Se eu fosse primeiro ministro nunca mais me passaria pela cabeça fazer qualquer patriotica declaração - daquela que se fazem para animar o mechilhão- sem consultar o previamente o Stor Paes

    Assim se vê como o Stor Paes nasceu mesmo fadado para estas causas nobres de "casas SANTAS". Bem visivel o seu enorme coração, preocupado com o bem comum, com os mais vulneraveis, mais desprotegidos ...
  1. MatrixMellon 29 Dez 2015 - 14:39
    Se a carga fiscal é muito alta para todos os outros sectores, também o deve ser para o jogo online. Contudo é preciso analisar bem se a receita fiscal não será bem maior com imposto mais baixo neste caso.

    Mas isto da carga fiscal é uma luta que outros sectores já travam a tanto tempo sem resultado.
    O estado não vê ou não quer ver muita coisa.

Procurar